ENTENDA A DIFERENÇA ENTRE POSSE E PROPRIEDADE

Atualizado: 24 de jun.



Apesar de aparentemente iguais, posse e propriedade são coisas diferentes, possuindo efeitos jurídicos igualmente diferentes. Enquanto a propriedade é um gênero dos direitos reais, a posse é uma das espécies. Na prática, quem possui um imóvel não necessariamente é o seu proprietário (dono).


1. Propriedade


Como visto no artigo “O QUE SÃO DIREITOS REAIS?”, a propriedade é o direito de usar, gozar e dispor da coisa, bem como de reavê-la de quem injustamente a tomou. Está disposta no artigo 1.228 do Código Civil:


“Art. 1.228. O proprietário tem a faculdade de usar, gozar e dispor da coisa, e o direito de reavê-la do poder de quem quer que injustamente a possua ou detenha.”

O uso é o direito de extrair eventuais vantagens naturais do bem, como moradia, por exemplo.


O gozo é o direito de extrair os frutos do bem, como, por exemplo, a locação do imóvel.


A disposição é o direito de dar o bem a destinação que se achar mais conveniente, como por exemplo, construção, destruição, venda, doação, dentre outros.


A reivindicação é o direito de defender o bem contra quem injustamente o possua ou está tentando possuir.


Além disso, é bom frisar que só se adquire a propriedade de um bem imóvel quando houver o registro do título translativo, ou seja, escritura pública de compra e venda, partilha, permuta ou doação, na matrícula do imóvel, o que é feito no Cartório de Registro de Imóveis em que o imóvel está localizado. Essa obrigação está disposta no artigo 1.245 do Código Civil.


“Art. 1.245. Transfere-se entre vivos a propriedade mediante o registro do título translativo no Registro de Imóveis.
§ 1 o Enquanto não se registrar o título translativo, o alienante continua a ser havido como dono do imóvel.”

Enquanto não houver esse registro, quem vendeu continuará sendo proprietário do imóvel. Em outras palavras, só é dono quem registra.


2. Posse


Por sua vez, a posse é uma das espécies da propriedade. Segundo o artigo 1.196 do Código Civil, é um dos poderes da propriedade, a saber:


“Art. 1.196. Considera-se possuidor todo aquele que tem de fato o exercício, pleno ou não, de algum dos poderes inerentes à propriedade.”

Dito de outra forma, a posse é a exteriorização de algum dos poderes da propriedade.


Um exemplo bem prático da diferença entre posse e propriedade é o contrato de locação. Nele, o inquilino, embora tenha a posse imóvel, não detém a propriedade do bem. Ou seja, não é dono do imóvel.


Nesse sentido, o locador detém a propriedade e a posse indireta do imóvel, enquanto o locatário tem apenas a posse direta.


Assim, apesar de o inquilino exteriorizar um ou mais dos poderes da propriedade (nesse caso, o uso), não é dono. Como consequência, está impossibilitado de exercer os outros poderes da propriedade, quais sejam, gozo, fruição e, em alguns casos, a reivindicação.


Outro exemplo clássico é a compra de um imóvel por meio de contrato particular de compromisso de compra e venda, o popular contrato de gaveta, o qual, por não ser registrado na matrícula do imóvel, não garante ao adquirente o direito de propriedade, apenas de posse.


Portanto, como visto, a propriedade é o gênero, enquanto a posse é a espécie. Enquanto o proprietário pode exercer os direitos de uso, gozo, disposição e reivindicação, o posseiro, na maioria das vezes, detém apenas o direito de uso.


Gostou do conteúdo? Espero que sim!


Se ficou alguma dúvida, clique aqui para conversar comigo.


Também estou disponível no INSTAGRAM, FACEBOOK, YOUTUBE e SPOTIFY e outros streamings de podcast.


Por Felipe W. Dias.


Em breve disponível no youtube, spotify e principais streamings de podcast.


#direito #direitoimobiliario #imobiliario #direitosreais #propriedade #posse #uso #gozo #disposicao #reivindicacao #felipewdias

WhatsApp.png